Pular para o conteúdo principal

KIZUMBA





                                                 Foto:  Clóvis Scarpino

Em algum momento do final dos anos 70, se nāo me engano (tenho que abrir todas as caixas de relíquias para conferir), eu, Dalmo Castelo, Jorge Aragāo, Luiz Carlos da Vila e Wilson Moreira nos juntamos para fazer um show.
A ideia surgiu nos inúmeros papos que tivemos eu e o ator e diretor Haroldo de Oliveira, lá no Restaurante Amarelinho da Cinelândia, quando passávamos horas tomando umas e debatendo sobre negritude, racismo, politica, música, novelas e afins.
Viajamos tanto na maionese que começamos até um projeto de montar um negócio de produtos de beleza para negros, na época um pensamento totalmente absurdo, provocador.
Das muitas ideias que tivemos uma quase realizamos que foi a peça “A cor da cor”, trocadilho inspirado na foto de Luiz Murier publicada no Jornal do Brasil, onde um PM conduz um grupo de negros presos na favela ligados um a um por uma corda no pescoço. Chegamos a ensaiar o elenco que contava entre outros com o ator e depois compositor  Bandeira Brasil.
Nāo conseguimos montar, mas realizamos outros, como a peça “Oh! Que delicia de negras”, texto de Nei Lopes, musicas minhas e direção do Haroldo lá no Teatro Rival.
O outro que deu certo foi o “Kizumba” que juntou a galera que citei no início.
Ficamos em cartaz durante um mês fazendo um show autoral num teatro de uma escola que funcionava no final da Praia de Botafogo, perto do viaduto, acho que o “Asdrubal” andou por lá também. Se alguém lembrar do nome do local me avisa.
O público foi meia bomba até que no último dia do espetáculo saiu uma matéria bacana no Jornal do Brasil, a casa encheu e resolvemos prorrogar a temporada.
Era um momento em que tudo estava começando pra todo mundo. O hoje consagrado Sombrinha foi músico violonista de sete cordas  no show que contava ainda com Milton Manhās e Mauro nas percussões.
Muita coisa boa aconteceu por lá neste período em que Luiz Carlos ainda usava peruca e eu tinha cabelo Black Power. Uma delas foi quando Wilson Moreira se atrasou para a apresentação. Show marcado para às 21 horas e Wilson chegou às 23 horas.
Você deve estar pensando que começamos o show sem ele, né? Nada disso. Choveu muito nesse dia e ficamos batendo papo com a paciente plateia esperando pelo Wilson que foi aclamado na chegada. Fizemos o show que acabou depois da meia noite com direito a saideira no Lamas. Detalhe, nessa época nāo tinha telefone celular.
Sou obrigado a confessar que nestes tempos  de cólera generalizada me faz um bem danado poder ter um baú para futucar de vez em quando, quase me esconder por lá. Doce refúgio, certamente diria Luiz Carlos da Vila.

Comentários

Unknown disse…
Acho que pode ser um colégio ligado às freiras. Ainda está lá com o nome Colégio Imperial. Em frente ficava o lindo ginásio esportivo do Botafogo, hoje um horroroso centro empresarial.
Caio Tibúrcio disse…
Boas lembranças!!!

Vai contando que a gente vai lendo, gostando, aprendendo ...

Postagens mais visitadas deste blog

Valeu Zumbi!!!

Valeu Zumbi!!!! Com este grito encerramos na madrugada do dia 20 o show feito em homenagem a Luiz Carlos da Vila promovido pela Prefeitura de Nova Iguaçu. Milhares de pessoas na praça, dezenas de artistas amigos do Luiz, todos cantando e se emocionando, mesmo fora do palco. Tudo do jeito dele, com muita alegria, samba e cerveja gelada. Valeu Zumbi, saudação cunhada pelo Luiz no samba enredo da Vila Isabel de 1988, deve estar sendo gritada muitas vezes por este país afora nestas comemorações do dia da Consciência Negra. Neste momento em que escrevo estou em Mauá, São Paulo para atuar num show de praça, integrando a banda do Martinho da Vila, numa comemoração deste dia de graça. Gostaria de escrever aqui algumas coisas relativas ao assunto. Estou sem tempo, mas não posso deixar passar em branco este dia sem dizer que sou a favor das cotas, que o racismo no Brasil é muito louco por ser um país de miscigenados, que as lutas para acabar com o preconceito e a descriminação não deveriam ser l

O bairro do Cachambi

Praça Orlando Silva no Cachambi Essa crônica foi publicada na edição de ontem, 23 de fevereiro,  do Jornal O Povo. Hoje eu tive tempo para dar um incrementada e publicar aqui no blog. Outro dia, num desses tempos que eu fico em frente ao computador, recebi um email onde estavam relacionados vários bairros cariocas e suas histórias. Fiquei chateado porque na lista não constava o Cachambi, bairro onde eu fui criado e morei até os vinte e oito anos de idade. Aí saí viajando pela internet procurando informações sobre o bairro e encontrei uma pesquisa de estudantes de urbanismo da PUC baseada no bairro do Cachambi. Fiquei todo vaidoso, porque lá fiquei sabendo que, de acordo com o censo de 2033, não sei como está agora, o Cachambi era um bairro com uma população predominantemente jovem, com maioria feminina, com baixo índice de mortalidade infantil, mas com uma alta longevidade em relação à cidade, com uma média de 69 a 72 anos. Fiquei sabendo através dessa pesquisa que a palavra C

Dilema: Como dialogar com a ideia de Deus em tempos de cólera.

“A paciência foi um dom que Deus me deu e com ela a consciência que sem fé não é possível se viver. Confesso que me deixa irritado quando igreja e mercado se aliam pro poder”. Esse é um trecho de um rala-coco/ samba que eu compus a mais de dez anos e que faz parte do meu disco "Amigo de fé". Esses dias li no jornal que ao completar quarenta anos de existência, a Igreja Universal do Reino de Deus tem agora como projeto “investir na classe média”. Quando li isso pensei, os mais pobres já estão “catequizados”. Por conta disso me lembrei de algumas gravações que participei no Estúdio da Universal, ali na Marechal Floriano. Na época ninguém imaginava os métodos que a igreja usaria para captar fiéis e recursos, muito menos que um dos seus seria Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro. Achávamos que era só a inclusão da prática musical de forma mais profissional na igreja, como já aconteceu com outras igrejas pelo Brasil afora. Já participei de várias gravações em algumas