Pular para o conteúdo principal

O PRIMEIRO LP NINGUÉM ESQUECE


Salve amigo e amiga.

A live que farei no dia 16 de junho,  às 18 horas no Facebook, será uma comemoração dos quarenta anos de lançamento do meu primeiro disco autoral.

Na época, Renato Correa, um dos integrantes do grupo Golden Boys era  um dos diretores artísticos da EMI-ODEON onde o disco foi gravado, nos extintos estúdios da Rua Mena Barreto em Botafogo.

Renato indicou o produtor José Milton para cuidar do projeto e o resultado foi maravilhoso, tanto no trabalho quanto no nascimento da nossa amizade.

Esse LP  é de uma época em que efetivamente havia uma indústria de discos, com toda uma grande estrutura que ia desde a fábrica, passando pelos trabalhos de promoção em rádios,  até chegar as  prateleiras das lojas.

O rádio era o braço forte de divulgaçāo dos produtos e quando ouvi meu disco pela primeira vez tocando numa estação, acho que na Rádio Nacional FM,  foi uma emoçāo.

As gravadoras tinham uma estrutura de promoçāo que atendia o artista onde ele estivesse. Assim aconteceu quando eu viajava ainda integrando a banda do Sivuca e o divulgador local fazia um giro comigo pelas rádios. Salvador, Recife, Belo Horizonte e Sāo Paulo foram algumas das praças onde eu tive a oportunidade de mostrar o trabalho.

Quando gravei este disco em 1980, as iniciativas na produçāo independente ainda eram muito tímidas. Antônio Adolfo tinha lançado o seu maravilhoso clássico “Feito em casa” em 1977,  mas só as gravadoras multinacionais ainda detinham o monopólio dos grandes estúdios de gravações profissionais. Entāo nāo era uma coisa fácil você ter um contrato com uma gravadora e o artista sempre ficava dependendo de “fazer sucesso” para ter seu contrato renovado.

No meu caso, o sucesso de vendagem nāo aconteceu, embora “a gravadora tenha dado o maior apoio” e o disco tenha sido “muito bem recebido pela crítica”, expressões comuns na época no meio artístico.

Sinto um gostinho de sucesso agora, quando vejo o LP valorizado como objeto de raridade, inclusive no Japāo, como me confidenciou o o cantor Ed Mota, que viu o disco num sebo em Tókio sendo vendido a $300.

Sinto um sabor de sucesso também quando vejo este disco reciclado em novo formato, nāo tendo sido impresso em CD, e trazendo de volta pra mim tantas lembranças boas dessa época em plena contemporaneidade digital.

Este meu primeiro trabalho autoral, do qual tenho muito orgulho,

é um disco onde tive a oportunidade, o prazer e a honra de contar com a presença de grandes músicos de estúdio daquele período.

Ivan Machado no baixo, Téo Lima na bateria, o Peninha, que depois foi do Barāo Vermelho, nas percussões.  Luiz Avelar e Reinaldo Arias nos teclados e arranjos. Os saxes e as flautas de Mauro Senise, Jorginho, Zé Carlos Bigorna, Oberdan Magalhāes e Ricardo Pontes. Os trompetes de  Márcio Montarroyos, Bidinho e o Serginho Trombone.

No coro Luna, Fabíola, Regininha,  Marcio Lote, Zé Luiz, Flávinho, e Pepe Castro Neves. No nipe de cordas, entre outros vinte músicos, meus amigos Pascoal Perrota e José Alves.

Os parceiros no repertório foram João Nogueira, Ivor Lancellotti, Ivan Wrigg, na maior parte das canções, Cartola e Hermínio Bello de Carvalho e ainda contei com as participações especiais de Sivuca e Cláudia Versiani.

As boas lembranças ficam também por conta das eternas amizades cultivadas com a parte técnica, meu saudoso Guilherme Reis e o queridaço Nivaldo Duarte.

Entāo é isso, meus amigos e amigas. Acessem as plataformas e aproveitem para dar um palpite se a gravação análoga é ou nāo melhor que a digital. Beijos.

Comentários

Unknown disse…
Eu tenho esse CD maravilhoso. Parabéns pato...
Abraços
TOM TAVARES disse…
Parabéns, Cláudio Jorge!
Tem que se orgulhar, mesmo.
Trata-se de um trabalho sincero, honesto, de muito bom gosto e muito bem realizado.
Tom Tavares
Unknown disse…
Esse disco é incrível mesmo Claudinho,grande momento da nossa música!!Vai ser díficil superar o som do LP,mas vou dar um confere lá no digital,bjão
Unknown disse…
Claudinho Jorge, que prazer poder lhe abraçar por aqui e afirmar que o som do LP é fantastico e parabéns pela sua trajetória brilhante e vitoriosa, saudades dos nossos bons papos e dos trabalhos que estão cada vez mais raro. Fique com Deus e se cuide abraço!!!! Genilson Barbosa
Maravilha Claudinho! Orgulho e prazer em ter participado ao lado desses músicos e amigos maravilhosos! Já começou arrasando! Abração

Postagens mais visitadas deste blog

Valeu Zumbi!!!

Valeu Zumbi!!!! Com este grito encerramos na madrugada do dia 20 o show feito em homenagem a Luiz Carlos da Vila promovido pela Prefeitura de Nova Iguaçu. Milhares de pessoas na praça, dezenas de artistas amigos do Luiz, todos cantando e se emocionando, mesmo fora do palco. Tudo do jeito dele, com muita alegria, samba e cerveja gelada. Valeu Zumbi, saudação cunhada pelo Luiz no samba enredo da Vila Isabel de 1988, deve estar sendo gritada muitas vezes por este país afora nestas comemorações do dia da Consciência Negra. Neste momento em que escrevo estou em Mauá, São Paulo para atuar num show de praça, integrando a banda do Martinho da Vila, numa comemoração deste dia de graça. Gostaria de escrever aqui algumas coisas relativas ao assunto. Estou sem tempo, mas não posso deixar passar em branco este dia sem dizer que sou a favor das cotas, que o racismo no Brasil é muito louco por ser um país de miscigenados, que as lutas para acabar com o preconceito e a descriminação não deveriam ser l

O bairro do Cachambi

Praça Orlando Silva no Cachambi Essa crônica foi publicada na edição de ontem, 23 de fevereiro,  do Jornal O Povo. Hoje eu tive tempo para dar um incrementada e publicar aqui no blog. Outro dia, num desses tempos que eu fico em frente ao computador, recebi um email onde estavam relacionados vários bairros cariocas e suas histórias. Fiquei chateado porque na lista não constava o Cachambi, bairro onde eu fui criado e morei até os vinte e oito anos de idade. Aí saí viajando pela internet procurando informações sobre o bairro e encontrei uma pesquisa de estudantes de urbanismo da PUC baseada no bairro do Cachambi. Fiquei todo vaidoso, porque lá fiquei sabendo que, de acordo com o censo de 2033, não sei como está agora, o Cachambi era um bairro com uma população predominantemente jovem, com maioria feminina, com baixo índice de mortalidade infantil, mas com uma alta longevidade em relação à cidade, com uma média de 69 a 72 anos. Fiquei sabendo através dessa pesquisa que a palavra C

Dilema: Como dialogar com a ideia de Deus em tempos de cólera.

“A paciência foi um dom que Deus me deu e com ela a consciência que sem fé não é possível se viver. Confesso que me deixa irritado quando igreja e mercado se aliam pro poder”. Esse é um trecho de um rala-coco/ samba que eu compus a mais de dez anos e que faz parte do meu disco "Amigo de fé". Esses dias li no jornal que ao completar quarenta anos de existência, a Igreja Universal do Reino de Deus tem agora como projeto “investir na classe média”. Quando li isso pensei, os mais pobres já estão “catequizados”. Por conta disso me lembrei de algumas gravações que participei no Estúdio da Universal, ali na Marechal Floriano. Na época ninguém imaginava os métodos que a igreja usaria para captar fiéis e recursos, muito menos que um dos seus seria Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro. Achávamos que era só a inclusão da prática musical de forma mais profissional na igreja, como já aconteceu com outras igrejas pelo Brasil afora. Já participei de várias gravações em algumas