Pular para o conteúdo principal

MINGO SILVA – A nova voz negra do samba, vem lá de Niterói.


                       

 

Olá caríssimo leitor e leitora. Estou aqui mais uma vez para escrever sobre o trabalho de um artista onde eu tenha tido o prazer de participar com o meu violão. A bola da vez é o cantor e compositor Mingo Silva.

É comum na discografia do samba a presença de cantores e compositores vindos de fora do Rio e que se consagram nas rodas cariocas  entrando para a  historia da música brasileira.

Délcio Carvalho, Zé Katimba, Martinho da Vila, Ataulfo Alves, sāo alguns entre centenas. De Niterói, Jurujuba,  para se consagrar no Estácio e inventar o samba e as escolas, veio Ismael Silva.

De lá também vieram artistas Sérgio Mendes, MPB4, Arthur Maia, Heitor TP, e tantos outros.

Agora temos a alegria de conhecer o primeiro disco do niteroiense Mingo Silva, lançado pela Biscoito Fino, à disposição nas plataformas digitais.

Confesso que quando começamos a gravar este disco e Mingo soltou a voz guia para a primeira base, tive uma surpresa. Mingo falando já tem uma voz redonda, mas cantando traz com ele o melhor de Jamelāo, Nadinho da Ilha, Blecaute. Vozes negras de homens pretos de sorriso largo.

O disco é dos melhores lançamentos recentes na área do samba tradicional, muito bem embalado na modernidade dos arranjos de Alessandro Cardozo, Rildo Hora, Paulāo 7 Cordas, Carlinhos 7 cordas e Rafael dos Anjos.

Com caprichada produçāo de Alessandro Cardozo, meu chapinha, cavaco espertíssimo, o disco do Mingo Silva é um dos que vem mostrar que a cultura popular, em todas as suas formas de expressão, avança. A roda gira, a fila anda e aumenta na quantidade de talentos que brotam daqui,  dali e de lá, embora hoje as janelas de visibilidade sejam tāo estreitas para o que é mais genuíno, poético, bom de cantar, bom de sambar, bom de viver, para as nossas preferencias, é claro. Como diria Marçal e Das Neves, “trata de ti”.

O repertório interpretado por Mingo Silva inclui composições suas, a maioria,  que passeiam pelos vários estilos do samba, em parceria com compositores da nova geração como Baiaco, Nego Álvaro, Mosquito, Zé Ignácio, gente que com ele, com certeza, já mandaram muito samba juntos no “Samba do Trabalhador”, lá no Renascença.

Fiquei muito feliz em ver o disco pronto, lançado e agora vamos correndo atrás aqui pra divulgar, né?  Parabéns a todos os meus colegas instrumentistas envolvidos. ARTE DO POVO é um disco bom de ouvir, cantar junto e sambar. É um disco bom também pra pensar sobre as nossas raízes e sobre o  futuro da nossa música popular e do nosso povo do ayê. Um disco, com certeza, com tudo para ser  abençoado pelo nosso pai Obaluaiê. Atotô




 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Valeu Zumbi!!!

Valeu Zumbi!!!! Com este grito encerramos na madrugada do dia 20 o show feito em homenagem a Luiz Carlos da Vila promovido pela Prefeitura de Nova Iguaçu. Milhares de pessoas na praça, dezenas de artistas amigos do Luiz, todos cantando e se emocionando, mesmo fora do palco. Tudo do jeito dele, com muita alegria, samba e cerveja gelada. Valeu Zumbi, saudação cunhada pelo Luiz no samba enredo da Vila Isabel de 1988, deve estar sendo gritada muitas vezes por este país afora nestas comemorações do dia da Consciência Negra. Neste momento em que escrevo estou em Mauá, São Paulo para atuar num show de praça, integrando a banda do Martinho da Vila, numa comemoração deste dia de graça. Gostaria de escrever aqui algumas coisas relativas ao assunto. Estou sem tempo, mas não posso deixar passar em branco este dia sem dizer que sou a favor das cotas, que o racismo no Brasil é muito louco por ser um país de miscigenados, que as lutas para acabar com o preconceito e a descriminação não deveriam ser l

O bairro do Cachambi

Praça Orlando Silva no Cachambi Essa crônica foi publicada na edição de ontem, 23 de fevereiro,  do Jornal O Povo. Hoje eu tive tempo para dar um incrementada e publicar aqui no blog. Outro dia, num desses tempos que eu fico em frente ao computador, recebi um email onde estavam relacionados vários bairros cariocas e suas histórias. Fiquei chateado porque na lista não constava o Cachambi, bairro onde eu fui criado e morei até os vinte e oito anos de idade. Aí saí viajando pela internet procurando informações sobre o bairro e encontrei uma pesquisa de estudantes de urbanismo da PUC baseada no bairro do Cachambi. Fiquei todo vaidoso, porque lá fiquei sabendo que, de acordo com o censo de 2033, não sei como está agora, o Cachambi era um bairro com uma população predominantemente jovem, com maioria feminina, com baixo índice de mortalidade infantil, mas com uma alta longevidade em relação à cidade, com uma média de 69 a 72 anos. Fiquei sabendo através dessa pesquisa que a palavra C

Dilema: Como dialogar com a ideia de Deus em tempos de cólera.

“A paciência foi um dom que Deus me deu e com ela a consciência que sem fé não é possível se viver. Confesso que me deixa irritado quando igreja e mercado se aliam pro poder”. Esse é um trecho de um rala-coco/ samba que eu compus a mais de dez anos e que faz parte do meu disco "Amigo de fé". Esses dias li no jornal que ao completar quarenta anos de existência, a Igreja Universal do Reino de Deus tem agora como projeto “investir na classe média”. Quando li isso pensei, os mais pobres já estão “catequizados”. Por conta disso me lembrei de algumas gravações que participei no Estúdio da Universal, ali na Marechal Floriano. Na época ninguém imaginava os métodos que a igreja usaria para captar fiéis e recursos, muito menos que um dos seus seria Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro. Achávamos que era só a inclusão da prática musical de forma mais profissional na igreja, como já aconteceu com outras igrejas pelo Brasil afora. Já participei de várias gravações em algumas