Pular para o conteúdo principal

O SEQUESTRADO CORAÇĀO DE JESUS


Antes que algum leitor fique de pé atrás com o título que dei a essa crônica, quero dizer que sou um respeitoso e profundo admirador de Jesus Cristo.
Primeiro porque sinceramente acredito que ele tenha existido, acredito na sua história, só não acredito que ele tenha nascido louro de olhos azuis.
Segundo, porque minha fé religiosa foi primeiramente formada através de seus ensinamentos. Sou batizado, crismado, estudei o catecismo. Queira eu ou não, queira você ou não, eu tenho Jesus no coração.
Terceiro porque a religião que abracei na idade madura tem um profundo respeito por Cristo, aquele que teve o poder de vencer a morte.
Dados os primeiros esclarecimentos, quero dizer que estamos a caminho de mais um Natal onde as intolerâncias, particularmente a intolerância religiosa, diariamente ocupam a mídia em seus vários formatos, em todo o planeta.
Sinto que o Sagrado Coração de Jesus, entra século e sai século, não consegue se livrar daquela lança mortal que lhe foi aplicada pelo soldado romano.
Jesus veio ao mundo com mãos, coração e olhar cheios de solidariedade, piedade, fé, compreensão, tudo sintetizado em amor para ser ensinado aos humanos.
Foi mal interpretado pelos contemporâneos que faziam parte do seu tempo, foi preso, torturado e crucificado.
A igreja católica, fundada por Pedro por orientação de Jesus, foi a primeira a sequestrar o Sagrado Coração para, em nome dele, abençoar as cruzadas, a inquisição, a catequese de índios, o tráfico de escravos e etc., que geraram a morte de milhões de seres humanos, totalmente na contramão dos ensinamentos de Cristo.
Agora, chegamos aos anos 2000, o mundo não acabou fisicamente, ou parece que está acabando aos poucos, ou ainda, o mundo com os marcos civilizatórios que conhecemos até aqui é que parece ter acabado.
Outras religiões, inspiradas no Filho de Deus, sequestraram mais uma vez o Sagrado Coração para justificar a intolerância religiosa, a homofobia, o racismo, o crime, os abusos de dirigentes políticos que, em nome de Cristo Salvador, levam a nossa população mais pobre, principalmente, para um verdadeiro calvário existencial, às vezes sem saber que nele vive.
O sequestro do Coração Sagrado veio acompanhado da ocupação de instituições e da subversão da ordem jurídica que garantia o estado laico incluído na constituição brasileira.
Chegamos ao Natal de 2019 com a perigosa constatação de que enquanto o Sagrado Coração de Jesus não for libertado não haverá democracia plena, eleições justas, respeito ao próximo, respeito às diferenças, paz entre os homens de boa vontade, boa vontade entre os homens.
Essa reflexão é para desejar um feliz Natal para todos os meus amigos, te todos os credos, de todas cores, de todos os gêneros. Um feliz Natal para os que não pensam politicamente como eu, mas que respeitam os sagrados valores dos direitos humanos. Para os que não respeitam, ofereço minha indiferença.
Neste particular Natal de 2019 rezo pela ressurreição de Jesus esperando que ele venha nos salvar destes novos tempos, feito o ET cantado por Gilberto Gil. Feliz Natal, com um Jesus Cristo livre para todos.
https://youtu.be/mh9drfcfPuU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Valeu Zumbi!!!

Valeu Zumbi!!!! Com este grito encerramos na madrugada do dia 20 o show feito em homenagem a Luiz Carlos da Vila promovido pela Prefeitura de Nova Iguaçu. Milhares de pessoas na praça, dezenas de artistas amigos do Luiz, todos cantando e se emocionando, mesmo fora do palco. Tudo do jeito dele, com muita alegria, samba e cerveja gelada. Valeu Zumbi, saudação cunhada pelo Luiz no samba enredo da Vila Isabel de 1988, deve estar sendo gritada muitas vezes por este país afora nestas comemorações do dia da Consciência Negra. Neste momento em que escrevo estou em Mauá, São Paulo para atuar num show de praça, integrando a banda do Martinho da Vila, numa comemoração deste dia de graça. Gostaria de escrever aqui algumas coisas relativas ao assunto. Estou sem tempo, mas não posso deixar passar em branco este dia sem dizer que sou a favor das cotas, que o racismo no Brasil é muito louco por ser um país de miscigenados, que as lutas para acabar com o preconceito e a descriminação não deveriam ser l

O bairro do Cachambi

Praça Orlando Silva no Cachambi Essa crônica foi publicada na edição de ontem, 23 de fevereiro,  do Jornal O Povo. Hoje eu tive tempo para dar um incrementada e publicar aqui no blog. Outro dia, num desses tempos que eu fico em frente ao computador, recebi um email onde estavam relacionados vários bairros cariocas e suas histórias. Fiquei chateado porque na lista não constava o Cachambi, bairro onde eu fui criado e morei até os vinte e oito anos de idade. Aí saí viajando pela internet procurando informações sobre o bairro e encontrei uma pesquisa de estudantes de urbanismo da PUC baseada no bairro do Cachambi. Fiquei todo vaidoso, porque lá fiquei sabendo que, de acordo com o censo de 2033, não sei como está agora, o Cachambi era um bairro com uma população predominantemente jovem, com maioria feminina, com baixo índice de mortalidade infantil, mas com uma alta longevidade em relação à cidade, com uma média de 69 a 72 anos. Fiquei sabendo através dessa pesquisa que a palavra C

Dilema: Como dialogar com a ideia de Deus em tempos de cólera.

“A paciência foi um dom que Deus me deu e com ela a consciência que sem fé não é possível se viver. Confesso que me deixa irritado quando igreja e mercado se aliam pro poder”. Esse é um trecho de um rala-coco/ samba que eu compus a mais de dez anos e que faz parte do meu disco "Amigo de fé". Esses dias li no jornal que ao completar quarenta anos de existência, a Igreja Universal do Reino de Deus tem agora como projeto “investir na classe média”. Quando li isso pensei, os mais pobres já estão “catequizados”. Por conta disso me lembrei de algumas gravações que participei no Estúdio da Universal, ali na Marechal Floriano. Na época ninguém imaginava os métodos que a igreja usaria para captar fiéis e recursos, muito menos que um dos seus seria Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro. Achávamos que era só a inclusão da prática musical de forma mais profissional na igreja, como já aconteceu com outras igrejas pelo Brasil afora. Já participei de várias gravações em algumas