Pular para o conteúdo principal

Black Wednesday


Mais um vinte de tantos novembros que já se passaram desde a morte de Zumbi dos Palmares, desde a abolição da escravatura em 1888.
Mais um vinte de tantos novembros que virão e ainda nada resolvido nas relações brasileiras com a escravidão de negros, prática estendida para todos os pobres de um modo geral.
Mais um vinte de novembro e eu aqui escrevendo mais uma crônica sobre o assunto longe de dizer que enfim, somos todos iguais, enfim prenderam quem mandou matar Marielle.
A igualdade entre humanos parece mesmo ser uma utopia a ser perseguida, uma utopia que dá sentido à vida daqueles que acreditam, como eu, que viver fica muito mais fácil e saboroso quando respeitamos nosso semelhante.
Semelhante. Palavra difícil nestes tempos distantes dos lançamento das idéias de Cristo. Se somos todos iguais perante a Deus, os humanos fazem questão de mostrar diariamente que não somos iguais perante a nós mesmos.
Pra quem foi criado sob os costumes da casa grande é muito difícil entender as expectativas de quem vive tentando fugir da senzala moderna na direção do paraíso de Palmares.
Essa fuga se realiza de várias maneiras e a cada dia a quantidade de “escravos fujões” só aumenta. Sim “escravos fujões”, é assim que o povo negro é visto por muitos racistas espalhados pelas instituições, pelo congresso, pelas escolas e universidades, pelos estádios de futebol, instalados nas polícias, no judiciário, nas repartições, nas empresas, no executivo e etc.
Enquanto esse “mi mi mi” for só nosso a luta continua. Quando for de todos os brasileiros o vinte de novembro será festa nacional com muita música, dança, comida, alegria, essas coisas que insistimos em praticar para o desespero dos “homens de bem”.
Alegria e bom humor, talento e competência, orgulho e fé, são nossas ferramentas preferidas no combate aos que insistem em nos impor o passado explícito na cor de nossas peles, mas essas ferramentas usamos  o ano inteiro. Hoje vinte de novembro do ano de 2019, prefiro comemorar fazendo uma reflexão mais aguda, mais realista, nossos dias estão pedindo isso.
Os índices de violência estão aí mostrando qual camada da população é o alvo principal do preconceito. Os índices estão aí mostrando a disparidade das remunerações entre brancos, negros e mulheres.
Os índices que revelam a juventude negra assassinada nas periferias diariamente também estão aí pra denunciar um genocídio em marcha. As manifestações públicas de racismo saíram do armário e também estão aí junto com a intolerância religiosa, coisa da antiga.
Essa é uma ladainha nossa que se repete a cada vinte de novembro, a cada 13 de maio, desde o primeiro navio negreiro que aqui chegou até o noticiário contanto dos tiros dos helicóptero sobre as favelas.
Os mínimos avanços conquistados em doses homeopáticas não têm como voltar atrás, é verdade,  e a cada brecha é mais um milésimo gol fazemos.
Neste vinte de novembro um fraterno beijo em meus amigos negros que a cada dia contribuem para a liberdade plena de nossa história. Neste 20 de novembro meu fraterno beijo nos meus amigos “brancos” que se esforçam sinceramente para entenderem nossa questão existencial num primeiro momento e, num segundo passo, se alinham à nossa luta. Valeu Zumbi!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Valeu Zumbi!!!

Valeu Zumbi!!!! Com este grito encerramos na madrugada do dia 20 o show feito em homenagem a Luiz Carlos da Vila promovido pela Prefeitura de Nova Iguaçu. Milhares de pessoas na praça, dezenas de artistas amigos do Luiz, todos cantando e se emocionando, mesmo fora do palco. Tudo do jeito dele, com muita alegria, samba e cerveja gelada. Valeu Zumbi, saudação cunhada pelo Luiz no samba enredo da Vila Isabel de 1988, deve estar sendo gritada muitas vezes por este país afora nestas comemorações do dia da Consciência Negra. Neste momento em que escrevo estou em Mauá, São Paulo para atuar num show de praça, integrando a banda do Martinho da Vila, numa comemoração deste dia de graça. Gostaria de escrever aqui algumas coisas relativas ao assunto. Estou sem tempo, mas não posso deixar passar em branco este dia sem dizer que sou a favor das cotas, que o racismo no Brasil é muito louco por ser um país de miscigenados, que as lutas para acabar com o preconceito e a descriminação não deveriam ser l

O bairro do Cachambi

Praça Orlando Silva no Cachambi Essa crônica foi publicada na edição de ontem, 23 de fevereiro,  do Jornal O Povo. Hoje eu tive tempo para dar um incrementada e publicar aqui no blog. Outro dia, num desses tempos que eu fico em frente ao computador, recebi um email onde estavam relacionados vários bairros cariocas e suas histórias. Fiquei chateado porque na lista não constava o Cachambi, bairro onde eu fui criado e morei até os vinte e oito anos de idade. Aí saí viajando pela internet procurando informações sobre o bairro e encontrei uma pesquisa de estudantes de urbanismo da PUC baseada no bairro do Cachambi. Fiquei todo vaidoso, porque lá fiquei sabendo que, de acordo com o censo de 2033, não sei como está agora, o Cachambi era um bairro com uma população predominantemente jovem, com maioria feminina, com baixo índice de mortalidade infantil, mas com uma alta longevidade em relação à cidade, com uma média de 69 a 72 anos. Fiquei sabendo através dessa pesquisa que a palavra C

Dilema: Como dialogar com a ideia de Deus em tempos de cólera.

“A paciência foi um dom que Deus me deu e com ela a consciência que sem fé não é possível se viver. Confesso que me deixa irritado quando igreja e mercado se aliam pro poder”. Esse é um trecho de um rala-coco/ samba que eu compus a mais de dez anos e que faz parte do meu disco "Amigo de fé". Esses dias li no jornal que ao completar quarenta anos de existência, a Igreja Universal do Reino de Deus tem agora como projeto “investir na classe média”. Quando li isso pensei, os mais pobres já estão “catequizados”. Por conta disso me lembrei de algumas gravações que participei no Estúdio da Universal, ali na Marechal Floriano. Na época ninguém imaginava os métodos que a igreja usaria para captar fiéis e recursos, muito menos que um dos seus seria Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro. Achávamos que era só a inclusão da prática musical de forma mais profissional na igreja, como já aconteceu com outras igrejas pelo Brasil afora. Já participei de várias gravações em algumas