Pular para o conteúdo principal

HOJE A FESTA É NOSSA



Hoje à noite quando eu subir no palco do Teatro Rival – Petrobrás nāo vai ser como as outras vezes que cantei por lá em trabalhos anteriores.
Lá estive pela primeira vez como autor da trilha de um musical escrito pelo meu querido parceiro Nei Lopes com direção do grande ator Haroldo De Oliveira. Foi o “Oh! que delícia de negras”, espetáculo engajado abordando o racismo no Brasil.
Depois foram atuações como músico em shows de Martinho da Vila, o show “Vila Isabel dá Samba”, junto com AgriāoMart’nália e Luiz Carlos da Vila, os lançamentos do “Coisa de Chefe”, “Matrizes”, com Luiz Carlos da Vila, Amigo de fé”, “Ismael Silva, uma escola de Samba”, junto com Augusto Martins e outros que no momento que escrevo me fogem à memoria.
Embora intimo do palco do Rival, a noite de hoje vai ser muito diferente. Estarei em cena completando 70 anos e na platéia minha mulher, Renata Ahrendsnascida na mesma data que eu, completando alguns poucos.
Nos encontramos num ensaio do bloco “Sorri pra mim”, em Vila Isabel, lá se vāo vinte e três anos. Quando nos demos conta que nascemos na mesma data resolvemos na hora juntar os signos, pra sempre.
Vai ser diferente o Rival dessa vez porque estarão comigo amigos de estrada destes longos anos, ao lado de jovens e grandes amizades que conquistei depois dos cinqüenta.
Nunca fui afeito a grandes comemorações de aniversário, mesmo nas datas redondas, e por conta disso só em janeiro deste ano me toquei que iria fazer os 70, o que fez eu acrescentar o assunto ao título do meu mais novo disco, “Samba Jazz, de raiz. Cláudio Jorge 70”.
O lance é que 70 é um número muito forte. Primeiro pelo “ufa!”, caramba consegui chegar até aqui. Segundo pelo ‘putz!”, como vai ser daqui pra frente? Afinal, a sensação de ainda nāo ter feito tudo o que eu gostaria de fazer é muito presente. O que eu gostaria de fazer? Nāo sei, algumas idéias, mas nenhuma certeza, como sempre, só sei que gostaria. 
Só sei também que o que alguns de vocês ainda vāofazer, eu já fiz. Viver mais uns trinta pra ver o que rola seria uma, mas com saúde, com dindin, com os amigos, com meu irmão Luiz Antônio, com o amor de Renata e do meu filho Gabriel Versiani e do neto/a que ele e minha nora Marília Arrigoni encomendaram. 
Subir hoje no palco do Teatro Rival vai ser muito boma oportunidade de mostrar o que penso sobre música, sobre Brasil, sobre as pessoas. Tudo ali nas minhas letras e nas de meus queridos parceiros. Pinta lá. Beijos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Valeu Zumbi!!!

Valeu Zumbi!!!! Com este grito encerramos na madrugada do dia 20 o show feito em homenagem a Luiz Carlos da Vila promovido pela Prefeitura de Nova Iguaçu. Milhares de pessoas na praça, dezenas de artistas amigos do Luiz, todos cantando e se emocionando, mesmo fora do palco. Tudo do jeito dele, com muita alegria, samba e cerveja gelada. Valeu Zumbi, saudação cunhada pelo Luiz no samba enredo da Vila Isabel de 1988, deve estar sendo gritada muitas vezes por este país afora nestas comemorações do dia da Consciência Negra. Neste momento em que escrevo estou em Mauá, São Paulo para atuar num show de praça, integrando a banda do Martinho da Vila, numa comemoração deste dia de graça. Gostaria de escrever aqui algumas coisas relativas ao assunto. Estou sem tempo, mas não posso deixar passar em branco este dia sem dizer que sou a favor das cotas, que o racismo no Brasil é muito louco por ser um país de miscigenados, que as lutas para acabar com o preconceito e a descriminação não deveriam ser l

O bairro do Cachambi

Praça Orlando Silva no Cachambi Essa crônica foi publicada na edição de ontem, 23 de fevereiro,  do Jornal O Povo. Hoje eu tive tempo para dar um incrementada e publicar aqui no blog. Outro dia, num desses tempos que eu fico em frente ao computador, recebi um email onde estavam relacionados vários bairros cariocas e suas histórias. Fiquei chateado porque na lista não constava o Cachambi, bairro onde eu fui criado e morei até os vinte e oito anos de idade. Aí saí viajando pela internet procurando informações sobre o bairro e encontrei uma pesquisa de estudantes de urbanismo da PUC baseada no bairro do Cachambi. Fiquei todo vaidoso, porque lá fiquei sabendo que, de acordo com o censo de 2033, não sei como está agora, o Cachambi era um bairro com uma população predominantemente jovem, com maioria feminina, com baixo índice de mortalidade infantil, mas com uma alta longevidade em relação à cidade, com uma média de 69 a 72 anos. Fiquei sabendo através dessa pesquisa que a palavra C

Dilema: Como dialogar com a ideia de Deus em tempos de cólera.

“A paciência foi um dom que Deus me deu e com ela a consciência que sem fé não é possível se viver. Confesso que me deixa irritado quando igreja e mercado se aliam pro poder”. Esse é um trecho de um rala-coco/ samba que eu compus a mais de dez anos e que faz parte do meu disco "Amigo de fé". Esses dias li no jornal que ao completar quarenta anos de existência, a Igreja Universal do Reino de Deus tem agora como projeto “investir na classe média”. Quando li isso pensei, os mais pobres já estão “catequizados”. Por conta disso me lembrei de algumas gravações que participei no Estúdio da Universal, ali na Marechal Floriano. Na época ninguém imaginava os métodos que a igreja usaria para captar fiéis e recursos, muito menos que um dos seus seria Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro. Achávamos que era só a inclusão da prática musical de forma mais profissional na igreja, como já aconteceu com outras igrejas pelo Brasil afora. Já participei de várias gravações em algumas