31/12/2012

VAN FILOSOFIA

"Minha vida é andar por esse país pra ver se um dia descanso feliz", diz a canção do centenário Luiz Gonzaga.
Minha profissão basicamente é isso.  Às vezes por outros países, as vezes tocando em estúdios, TVs e teatros, mas a atividade principal é viajar por aí.
São muitos os desmembramentos dessas viagens. É a família que fica em casa, é o atraso do vôo, é o hotel sem ar condicionado, é o contratante que não pagou o cachêé o trabalho cancelado em cima da hora.
Mas nem tudo é problema, também existem as soluções. Quando em vez a família vai junto, viagens de navio tirando onda, hotéis cinco estrelas, cachês dobrados, diárias generosas, longas turnês pela Europa e os presentes que trazemos dos quatro cantos do mundo, por exemplo.
Em todas as viagens há uma parte que quase ninguém imagina que é o tempo que passamos nas vans, seja no translado entre aeroportos e hotéis, entre o  hotel e o local do show e, muitas das vezes,  entre o aeroporto e a cidade onde se realiza o show.
Se viajar de van desse direito a milhagem,  certamente as teríamos mais do que nos programas de viagens aéreas.
Essas viagens podem  demorar quarenta minutos, uma hora e meia e em alguns casos, como em Portugal por exemplo, de quatro a seis horas.
Então já dá pra imaginar o universo de conversas que rolam entre os músicos neste tempo em que obrigatoriamente ficamos juntos.
Cada grupo tem seu jeito, dependendo da rapaziada. Nós, da música popular, somos geralmente privilegiados,  pois são representantes de variados estratos sociais que se misturam pra fazer o som daquele que carinhosamente chamamos de "canário", que é o cantor ou cantora para quem trabalhamos.
Antigamente, muito antigamente, a kombi era o transporte oficial dos músicos. Agora está atualizado com as vans e com um ar condicionado que nunca funciona a contento, na maioria das vezes.
Mas as histórias que rolam pelas vans dos músicos do Brasil são na sua maioria inenarráveis, porque é ali, protegidos do mundo que desfila lá fora, como nessa foto que tirei quando passávamos  em frente a Berklee School, em Boston,  
que neguinho coloca  os pensamentos mais inusitados, as teorias existenciais das mais variadas e as preferências e ideologias políticas que quase sempre terminam em "grossa pancadaria" como diria o músico Gordinho. A coisa se complica mesmo quando o papo é religião. Cada um tem a sua e a discussão sobre a existência de Deus faz a longa viagem passar rapidinho.
Nestes tempos de telefonia celular, notícia ruim  também chega na van, como a que rolou na viagem que fizemos de Lisboa a Coimbra. Marcelinho Moreira e eu, depois de tomarmos um delicioso vinho do Além Tejo, bateu a saudade e resolvemos ligar para o nosso amigo Paulinho Albuquerque. Atendeu o filho Pedro, dizendo que Paulinho não tava bem. Chegamos no hotel e recebemos a notícia de seu falecimento. São coisas da estrada da vida.
Mas é na van, principalmente, que se ri muito, de tudo, de todos, de qualquer coisa, até daquelas que à princípio não tem a menor graça.
Uma viagem de músicos numa van, em algum momento, nos dá a sensação de um passeio em família com direito a vinho, cerveja e salgadinhos a bordo, e os que não estão nessa, se deliciam rindo dos outros,  conforme a viagem vai seguindo.
É como se fosse uma terapia de grupo sem hora marcada pra acabar, todo mundo falando ao mesmo tempo, uns mais altos que os outros e quando a viagem chega ao final  todos desembarcam mais leves, felizes,  prontos pra subir no palco, comentar o show que acabamos de fazer ou pegar o avião de volta pra casa.
Um momento que não esqueço foi quando estávamos em excursão pelo Brasil atuando na banda do show que reuniu Sivuca, Dominginhos, Oswaldinho e Luiz Gonzaga.
Não época ainda não existiam vans, era um ônibus. Estávamos saindo do ginásio para o hotel e uma mulher desesperada correndo atras do ônibus com as sandálias nas mãos gritava "Seu Gonzaga, Seu Gonzaga". O Rei do Baião pediu pro motorista dar um tempo e mandou a senhora entrar. Ela veio as prantos até ele, fez todos os elogios, disse que veio de não sei  onde só para vê-lo, que estava com os pés cheios de calos e tudo mais. Gonzaga agradeceu, mandou ela ir com Deus e seguimos a viagem. Coisas da estrada da vida.
Neste momento que escrevo estamos voltando de Marataízes para Vitória, no Espirito Santo.
As coisas que já rolaram por aqui infelizmente não poderei contar, a não ser que já estamos nos preparando para próxima viagem a Santa Inês a 300km de São Luiz, de onde partiremos no primeiro dia de 2013 a bordo da próxima van filosofia de vida. Não é mesmo, Marcelinho, Fred e Martinho?
Um feliz 2013 para todos os meus quatros leitores, seus amigos e famílias. Beijos.

5 comentários:

Lucaco - Rádio Viva o Samba disse...

Pode ser cansativa a viagem, mas com o grupo e as pessoas que você citou no post, poderiam durar dias, meses, tenho certeza que assunto não faltaria.
Um feliz 2013!

Vivi Fernandes de Lima disse...

Feliz 2013 pra você também, Cláudio! Muitas alegres vans-filosofia pra você!

Rosa Maria de Carvalho disse...

Feliz 2013 para você também com muitas boas viagens.

rélizumanus disse...

Caraca!Tanto tempo que nem sei se lembro do nome do teu pai, embora ainda lembre das feições de todos ali na seção internacional d'O Dia e de uma visita sua com o Elson que ia defender Fio da Navalha no Festival(Abertura?).Seu pai(Adalberto?) disse q vc estava no Bandola. Tenho um poema escrito após a morte do Luiz Carlos da Vila.Estou pensando em te passar ele, descobri hj teu blog e passarei utras vezes cm certeza. Lembrança pro Gordinho ( do silvinho, irmão do carreiro, filho do cordovil, da Providência ).Vlw.Abçs.Feliz 2000etodos.

Leila disse...

Um maravilhoso 2013 para você! Com felizes realizações e muitas vans-filosofia pela frente. Beijão