01/05/2009

Algumas coisinhas ainda totalmente não digeridas.

Joaquim Barbosa. Um exemplo pra "raça (humana)".


Definitivamente o Brasil tem algumas instituições que são intocáveis, uma delas é o Flamengo. É o time da maioria, o time da maioria dos locutores de futebol, da maioria dos políticos, da maioria dos artistas, o time das capas pra vender jornal, então ai de quem contrariar essa massa. No episódio da foto acima, onde o juiz teve medo de expulsar o Juan, pensei numa historinha ao contrário:
O neguinho Maicosuel chuta a canela do Juan depois de levar um drible espetacular. Não satisfeito, coloca-se por cima do jogador tombado e manda um monte de desaforos na orelha dele. Deixo por conta dos meus três leitores completar a sequência dos fatos.

Agora eu tô entendendo porque meu saldo bancário está sempre no vermelho e a cultura, saúde e educação não têm dinheiro pra nada. É por conta de mais uma despesa extra que eu não sabia que tinha: as passagens de mulheres, amantes, filhos, empregados e garotas de programa que nossos queridos parlamentares precisam para o bom exercício de seus mandatos. Sacanagem. Eles podiam pelo menos colocar isso no nosso extrato bancário, só por uma questão de controle. Quem sabe a gente pudesse até deduzir isso do imposto de renda, né?

6 comentários:

Anônimo disse...

Para de chororô que o Claudio Jorge é de Barros.
Um abraço,
Chico Alves

Aguiarsan disse...

Em muito entristece a postura do Supremo diante do Ministro Barbosa que realmente tem a cara do povo a que ele defende. Sendo um David, enfrentou não somente um Golias, mas um grupo deles que unidos no cooperativismo resolvem mostrar que este é realmente um país injusto. Viva Barbosa,

JAAB disse...

Ponto Um.Joaquim Barbosa, exemplo de homem negro, exemplo de homem de todas as cores. As razões são tão evidentes que dispenso maiores comentários.Gilmar Mendes, exemplo de branco xexelento. Sempre ao lado dos fortes e dos poderosos e, contrariando a ideia do que deve ser um homem do Supremo, retoca diariamente a maquiagem da vaidade no espelho da mídia.Ponto Dois. Sou português e sou Flamengo. Uma vez, para todo o sempre. Por isso mesmo, doeu ainda mais aquela imagem anti-esportiva do jogador do time do meu coração. No dia que o drible perder para a bronca, o futebol acaba. Futebol é alegria, malandragem, faz que vai e não vai, faz que vai e vai mesmo. É só voltar atrás as imagens de Garrincha jogando e conferir.Ponto trêsAh, a imagem da bandeira brasileira, com o Congresso lá atrás, como cenário. Só repetindo Drummond. Essa foto é o nosso retrato na parede, mas como dói.Postadopor José Alberto Braga (JAAB), branco, de olhos azuis, mas amorenado pelo céu de anil e pelo sol que (ainda) nos cabe neste latifúndio

Anônimo disse...

Sou pró-Barbosa, sem dúvida. O lado bom disso tudo é que o País passou a ver e avaliar essas esses vespeiros antigos como o Legislativo e o Judiciário.
Sou Flamengo! Estamos confiando no Émerson, ele não haverá de nos faltar, mesmo porque nossos atacantes estão na entresafra!
Juan é mais um caso de jogador que pensa que joga muito mais do que, de fato, joga.

Renata Ahrends disse...

Meu amor, trabalho no judiciário, e sem dúvida estou do lado de Joaquim Barbosa, um exemplo de coragem e saber juridico, um craque. Mas... no futebo contiuamos em lados opostos. Se eu for falar da emoçáo de ser subro-negra vai acabar sendo pior que a cena do Juan. Vou te detonar, com muito carinho é claro.
Beijos

Anônimo disse...

Claudinho,
Uma vez Joaquim, Joaquim até morrer! O Gilmar é tudo de ignóbil. Preconceituoso,expondo ao ridículo a Casa que,pelo menos simbólicamente, deveria conter a honradez em suas salas e togas.Salve Barbosa!!
O Botafogo caiu dignamente. Saudações rubro-negras!! Saudade,irmão! Paulo C. Feital