26/02/2008

"No tempo das diligências (Luiz Mendes)

Recebi por e-mail e passo adiante (Cláudio Jorge).


Eu já tinha visto esse filme. O mocinho ganha sempre do vilão com o decidido apoio do xerife e sem se preocupar com os coadjuvantes. A repetição dessa história parece concorrer com o “Poderoso Chefão”, vitorioso filme que as emissoras de TV passam duzentas vezes por ano. No Campeonato Carioca do ano passado foi a mesma coisa. O mocinho é, sem dúvida o Flamengo, idolatrado por imensa maioria dos habitantes do rancho, o vilão tem sido ultimamente o Botafogo. O xerife é logicamente o árbitro. A história se repete tanto que aparenta ser um jogo de cartas marcadas. As decisões erradas do xerife já não são olhadas com estranheza, afinal viraram coisas corriqueiras. Por que choraram tanto os componentes do rancho do vilão, o que tem como marca uma bonita estrela branca? Já deviam estar acostumados, pois devem conhecer bem o enredo do filme. Viram quando se enfrentaram o mocinho Flamengo e o coadjuvante Vasco? O xerife aplicou o castigo máximo e o peão Edmundo foi bater. O porteiro do mocinho transgrediu a lei, botou os pés para trás da linha de limite, isso o fez mais rápido do que o peão. O xerife não viu a transgressão e bola pra frente. O mocinho venceu o duelo. Anteontem, o xerife tolerou todas as reclamações do capataz da fazenda do mocinho, um sujeito de nome Fábio Luciano,mas não aceitou o mesmo procedimento do capataz Lúcio Flávio do rancho do vilão. Tanto que o mandou sair dos seus domínios, que fosse reclamar noutra freguezia. Na hora de um entrevero, dentro do curral vilanista, o peão Souza queria porque queria pegar a bola pra ele, mas um tal de Castillo, porteiro do vilão, não quis permitir. O pacifista Zé Carlos quis evitar uma briga e o xerife teve uma decisão parcial, tinha só que mandar prá fora de seus domínios o peão Souza, mas aí a briga ficaria desparelha, por isso achou por bem deportar os dois. E assim foi abrindo caminho para mais um triunfo do mocinho. A maioria dos habitantes da cidade vibrou com alegria, pela repetição do “hapy end”, sempre com o mocinho vitorioso. O filme vai tendo seu enredo repetido, ano a ano, mesmo que renuncie o manda-chuva do vilão. É a volta memorável do tempo das diligências..."

7 comentários:

rapazdochapeu disse...

Excelente texto. Diz tudo de uma forma que só um botafoguense diria; poética, metafórica.
Botafogo, campeão da poesia.

Luís Pimenta disse...

Claudinho e amigos,
Achei belo e criativo o texto do Luiz Mendes. Porém é equivocado e por demais passional. Essa teoria da conspiração, talvez, venha a agradar alguns botafoguenses...
Penso que o grande vilão do Botafogo é ele próprio, quando transforma cada derrota numa novela mexicana. Recorrer ao jogo do Flamengo x Vasco e dizer que o goleiro rubro-negro só pegou aquele penalti mal batido pelo Edmundo porque estava em posição irregular foi pura apelação. E por falar em penalti, naquela confusão, o marginal do Souza e aquele goleirinho uruguaio deveriam ter ido pro chuveiro mais cedo. E aquela porrada que o Lúcio Flávio deu foi digna de um cartão vermelho. E o Ferrero também... ah, deixa pra lá! "Casa de Ferrero..."
Te espero para um chopp no Getúlio.
Grande abraço!

rapazdochapeu disse...

O que mais me entristeçe é que os flamenguistas afirmam que os botafoguenses não sabem perder, quando na verdade são os flamenguistas que não sabem ganhar.
Tenho dito e encerro esta discussão.
O blog é do Claúdio e não é uma praça pública para bate boca.

Juca Filho disse...

É a maldição do Mané, minha gente. Porque, mocinho ou vilão, com chororô ou sem chororô, bola na trave aos 50 do segundo tempo é daquelas coisas que - como dizem todos por aí, inclusive os índios - só acontecem com o Botafogo!

Beatriz disse...

Entrei só para ler mas não resisti. Flamenguista não sabe ganhar onde??????? Só se for na lua e depois das ultimas notícias não me espantaria o surgimento da FlaCratera.rsrsrsrrsrsrs Prometo que aqui só entrarei para ler pq acho os textos do Cláudio Jorge inteligentes e pertinentes. E tem mais: debate não é bate-boca! Até sábado no Beco!

Thales disse...

Parabéns pelo blog claudio
coisa de chefe mesmo.

marcelo disse...

Nação Alvinegra!
Acompanhando os acontecimentos envolvendo Botafogo e Flamengo, venho dizer-lhes que acho muito interessante o que está acontecendo! A picardia, o bom humor estão de volta! temos que comemorar!!
Ver a grande torcida do flamengo cantando a melodia do nosso canto, e parodiando a letra de maneira bem humorada é para comemorarmos! Olha que respostas estão nos dando! E que homenagem está fazendo ao Botafogo a maior torcida do país! E isso, de maneira limpa, com respeito, com bom humor e com picardia! Faz parte do jogo que seja assim!
Nós, torcedores apaixonados por esse clube, não podemos cair na armadilha de dar peso excessivo aos fatos que nos acontecem! E querem saber? Está na hora de acabarmos com a tal máxima de que "há coisas que só acontecem ao botafogo"!!! Frasesinha infeliz essa! Eu não me identifico como botafoguense a esse pensamento! Sai pra lá coisa ruim! Vamos bater umas palminhas pra abrir os caminhos e espantar esse negócio!!! Vamos deixar o campo mais leve, puxando a energia pra cima! Não temos que alimentar o que não é nosso! Xô pra lá!
O quê a torcida do Botafogo tem de melhor? Então meus caros, vamos por aí, pois assim, é muito mais interessante!
E usemos de maneira igualmente limpa, uma outra frase a que nos foi atribuída: "Botafogo é time de malandro". Então, vamos exercer essa malandragem no melhor sentido, com jogo de cintura e bom humor, para darmos uma resposta certa em hora igualmente certa!
Falei?
Saravá!
Marcelo Vianna